Um olhar demorado.

 
Procurando por: amizade, entretenimento
Registro: 04/07/2019
Sejam todos bem vindo, sempre!
Pontos107Mais
Próximo nível: 
Pontos necessários: 93
Último jogo
Dominó

Dominó

Dominó
2 dias h

C o r t a! _______ Honey, no estás.

07/12/2019       



Às vezes demora um pouco para nos darmos conta que nosso papel na vida do outro é figuração. Que o diretor vai gritar “gravando”, mesmo se você não estiver em cena. E o filme avança enquanto ficamos ali, com nossa parte do texto decorada com tanto empenho, agora calada na garganta, sufocando.

Descobrir que seu protagonismo existia apenas em uma versão da história é um tapa na cara, nada cenográfico, que te faz acordar num susto. Depois do choque inicial, a gente olha em volta e vai recolhendo as partes amputadas que ainda têm chances de reconstituição. Vamos saindo com esse restinho de nós mesmos, meio envergonhados, sem saber direito para qual câmera olhar, mas com a única certeza de que filme não vai ter remake. Porque não dá para não ser nada na vida de quem representa tudo.

Dói sim.

Dói a ausência, dói a decepção e dói constatar que as lembranças nem são tão lembráveis assim porque a maioria foi criada exclusivamente por você. E dói até a vergonha de ter acreditado que o sujeito era “nós” quando, na verdade, nunca foi além do “eu”.

Quando embarcamos em uma relação, uma das condições é a verdade. E não a verdade da vigilância, do controle. Mas a verdade de quem está ali por vontade própria, de corpo e alma, sem medo de admitir que a oração passou de coordenada para subordinada. Que, a partir de então, a frase “eu sou feliz” exige complemento para fazer sentido.

Quem vive essa verdade nunca perde. Porque pratica o respeito por si e é leal aos próprios princípios. A pior infidelidade é aquela que você comete com você mesmo quando para de viver de acordo com o que acredita. Quando amar é só um verbo da boca pra fora.

E não adianta não concordar com o fim da história. Porque tem filme que é assim mesmo: o final chega tão inesperado e tão triste, que a gente só se dá conta do “the end” quando as luzes do cinema se acendem e somos surpreendidos ainda com as lágrimas descendo.



Wal Reis

https://www.youtube.com/watch?v=SdklUjlwLgA

Despedidas _______ Estrada Nova

06/12/2019       

Tudo passa, até o além do infinito.

Seja um amor de adolescência que termina evoluindo para uma amizade, seja a morte de um ente querido e nossas dúvidas sobre o que há após a vida ou a mudança de um grande amigo para um novo e distante lugar. 

A tristeza é um sentimento quase intrínseco à despedida. Há despedidas que aliviam, é claro, mas vamos nos ater às realmente difíceis.

Crianças choram quando vão embora da casa dos avós que tanto amam, adultos sentem raiva quando o fim de semana está chegando ao fim, alguns de nós ficamos melancólicos por meses após o fim de um relacionamento, outros afogam suas mágoas em prazeres rápidos como a bebida ou dormir com pessoas desconhecidas só para não ficarem sozinhos. São comportamentos naturais e, por isso, previsíveis. O que não é nossa culpa, oras. Quem é que treina para um momento como a despedida? Como se escolhe o que vamos sentir ao fim de algo? Não, somos emotivos e sentimos muito, sentimos tudo.

Num interessante artigo sobre aprender a lidar com perdas, o autor Thomas M. Gallagher escreve que "se despedir de alguém querido significa dar a todos uma chance de seguir em frente". É uma frase de fácil compreensão, mas difícil aplicação.
Novamente, não há treino para se despedir ou um manual para lidar com despedidas, mas se houver disposição para amadurecer a ideia de que tudo passa e não necessariamente acaba, talvez o caminho para descobrir o que é o infinito e o além fique um pouco mais claro.

Tico Menezes.


https://www.youtube.com/watch?v=yJ0dii2ilf4

________ Coragem

05/12/2019       


TEXTO.png

“Ter coragem não é algo que requeira qualificações excepcionais, fórmulas mágicas, nem combinações especiais de hora, lugar e circunstância. É uma oportunidade que mais cedo ou mais tarde é apresentada para cada um de nós”.

Nas palavras de Osho: “Continuamos a perder muitas coisas na vida só por causa da falta de coragem. Na verdade, nenhum esforço é necessário para conquistar – só é preciso coragem – e as coisas começarão a vir até você, em vez de você ir atrás delas. Pelo menos no mundo interior é assim. E para mim, ser feliz é a maior coragem. Ser infeliz é uma atitude muito covarde. Na realidade, para ser infeliz, não é preciso nada. Qualquer covarde pode ser, qualquer tolo pode ser. Todo mundo é capaz de ser infeliz; para ser feliz é preciso coragem – é um risco tremendo”.

Todos nós temos fraquezas e nossos esforços nunca são perfeitos. Mas estamos aqui para aprender, experimentar e cometer erros. Ora, nós existimos numa rocha de pedra que gira à volta de uma bola de fogo que faz parte de um sistema solar menor, no extremo de todas as galáxias. Quão pequenos é que somos? Creio que estamos aqui para criar um mundo novo e melhor para todos. É para isso e por isso que estamos aqui. É o que eu acredito. É o que podemos oferecer.

Portanto, sigamos essas palavras: É preciso coragem Pra viver a vida, pra curar as feridas, pra existir.

É preciso coragem pra lutar, pra perder, pra ganhar

É preciso coragem pra construir, pra persistir, pra conquistar

É preciso coragem, é preciso sim, pra parar, pra pensar, pra aceitar que eu tive coragem, de ser feliz!



Jose Silveira.


Amor... Respeito...Tesão.

05/12/2019       


Um relacionamento saudável parte do princípio de levar e receber algo de bom com a outra pessoa, pois existe um mundo de coisas ao nosso redor que nos chateia, e então, pra quê mais problemas com a pessoa que a gente diz que ama?! Se não vai bem, tem algo ilógico aí.

Acredito que para um relacionamento dar certo existem 3 pilares, que são: O amor, que é o melhor sentimento do mundo (me diz outro que consegue te levar da tristeza profunda até a alegria suprema?), o respeito (não mude por e para ninguém, foi esse jeito que fez nascer uma história) e o tesão (sexual, sexo é bom pra caralho, mas de propósito também, propósito do que sustenta uma relação).

Amar não é ele carregar a bolsa dela, e ela comprar cuecas pra ele, ou exigir atenção e saber o que um fez detalhadamente durante o dia, não é questionar se ele a ama mesmo, não é ela está linda demais pra sair, ela está linda pra você, ela não liga pra opinião dos outros, ela se importa com a sua. É ele elaborar piadas extremamente sem graça só pra tentar te fazer sorrir, é te acompanhar nos momentos de realizações e nos difíceis virar e dizer 'Calma, vai dar tudo certo!'. É compartilhar muitas coisas, mas não tudo, é vital cada um ter seu próprio mundo. A gente nasceu só, e não com a pessoa, beléze?

É agir como homem pra ter uma mulher ao lado, e não como menino orgulhoso e preso numa bolha pessoal de prazeres momentâneos que só as meninas irão entender. Em outras palavras, agir como homem é corresponder uma mulher, agir como menino é corresponder uma menina.

O tal amor a gente não procura, ele nos encontra.

Amar é curtir, sorrir, brigar, brincar, aventurar, desbravar, errar e, sobretudo, aprender. 

Mas não esqueça: Pra amar alguém, você deve primeiro amar a si mesmo. É impossível dar amor sem ter amor próprio.

Que o amor que une duas pessoas não fique preso nesta data, mas que vire prática constante.

Não é ser romântico, é simplesmente curtir algo que nos faz bem nesse mundo louco de pessoas com pensamentos e sentimentos inconstantes. Valorizem as coisas que trazem sentimentos bons. Como vi na mesma palestra que citei acima: Se eu fosse um padre, agora tivesse dado um sermão e pediria para vocês dizerem "Amém". Mas como não sou padre e não dei sermão, eu só peço: Amem!


Jonas Sakamoto.

Tão simples.

04/12/2019       

Para compreender a mulher amada não precisa muito. 
Basta ouvi-la em seu momento mais alegre e fazer silêncio no seu momento mais triste. Em ambos, ela se comunica em linguagens especiais, interiores, próprias, sem tradução imaginada. 
Ela não implora nada. 
Hora, fala apenas com os olhos voltados para o berço da tarde. 
Hora, exprime-se não com a boca, mas com as mãos, comprimidas no ar. 
Chateada, tem a mulher amada o olhar perplexo, como de mil onças e mil palmeiras caídas. 
Da palavra, usa o eco. 
Para ouvir a mulher amada na TPM, na academia, na faculdade, na feira, no cinema, quando ela produz arte, passeando na praça, no escritório, em sua legítima liberdade de ir, vir, estar, desejar, inventar, sonhar, xingar, precisa ser muito homem no sentido de compreender um mundo em ebulição, uma alma esvoaçando sem o controle dos muros de explicações mornas. 
É preciso ser muito homem e sentir a feminilidade semelhante a um ser em construção, embora já perfeito. E, se for poeta, completa-se o milagre do respeito e da admiração. E só. 
#FernandoCoelho

https://www.youtube.com/watch?v=iJ6PbgiylCI

Não há fofoca que compense.

04/12/2019       

"Quem faz intrigas sobre a vida alheia quer ter algo de sua autoria, uma obra que se alastre e cresça, que se torne pública e que seja muito comentada. Algo que lhe dê continuidade. É por isso que fofocar é uma tentação. Porque nos dá, por poucos minutos, a sensação de ser portador de uma informação valiosa que está sendo gentilmente dividida com os outros. Na verdade, está-se exercitando uma pequena maldade, não prevista no Código Penal. Fofocas podem provocar lesões emocionais. Por mais inocente ou absurda, sempre deixa um rastro de desconfiança. Onde há fumaça há fogo, acreditam todos, o que transforma toda fofoca numa verdade em potencial. Não há fofoca que compense. Se for mesmo verdade, é uma bala perdida. Se for mentira, é um tiro pelas costas."



Nosso Herói.

03/12/2019       


Todos temos nosso herói.. 
Pessoas para as quais olhamos. Pessoas que nos inspiram, que nos ensinam a ser melhores do que somos, porque eles são melhores que nós. 
Pessoas que são ótimas se não olharmos de tão perto, porque se nos aproximarmos veremos que heróis são pessoas normais. 
E pessoas normais podem falhar. Nossos heróis não são especiais. Eles são apenas pessoas. Eles são como nós. 
Eles estão apenas tentando sobreviver. Eles estão tentando ser felizes. 
Tentando fazer o melhor. Ser melhor. Sentir-se melhor. 
Heróis não são mais especiais ou mais corajosos do que o resto de nós. Apesar de tudo, são apenas humanos. 
Eles machucam. Eles se decepcionam. Eles sangram. Porém, ás vezes, uma vez ou outra, quando é importante, eles fazem a coisa certa. Isso muda tudo. 
Um herói é apenas um ser humano e esse é o ponto. Se eles podem fazer isso, você também pode. 
Então, siga em frente. Não desista. Levante-se. Lute. 
Você sempre pode salvar o dia."

https://www.youtube.com/watch?v=MrDgBsO652s


O mundo esta encolhendo ou o ser humano esta com seu ego inflado...

30/11/2019       


O MUNDO ESTA ENCOLHENDO 

O mundo não vai acabar, mas certamente está diminuindo de tamanho. Antes, cada país preservava sua cultura e seus costumes. 
Hoje, todos possuem vários McDonald’s, Starbucks, Outback, Subway – nenhum viajante se sente longe de casa, o fast food da esquina impede a sensação de estrangeirismo. O mundo encolheu. 
Antes, levávamos dias para chegar a um local, semanas para atravessar um país. 
Hoje, para estar em qualquer lugar basta uma teclada, uma câmera virtual, e assim economizamos tempo, dinheiro e romantismo. Eliminou-se o trajeto. O mundo encolheu. 
Antes, cada lar era sagrado, a intimidade era assunto de poucos, havia uma sacralidade que, mesmo informal, preservava os pecados internos. 
Hoje, o que nosso pai diz está no Twitter, nossa mãe tem perfil no Face, nossa casa não tem mais paredes. O mundo encolheu. 
Antes, o que se escrevia era de autoria particular, indevassável. 
Hoje, há vários autores caçando palavras alheias, várias fontes a quem é atribuído o mesmo texto, não há mais o dono da ideia, tudo o que se diz e escreve é de quem viu primeiro, basta adotar como seu. O mundo encolheu. 
Antes, os amores eram secretos, as dores eram particulares, chorava-se em silêncio e em privacidade, ninguém sabia o que você sentia, a não ser que você fosse poeta. 
Hoje a dor de amor é produto externo bruto, fatura-se com o coração ferido. O mundo encolheu. 
Antes, a amizade era confeccionada com o tempo, era preciso meses para confiar, anos para decretar que o vínculo seria eterno, havia uma trajetória a cumprir antes do abraço indissolúvel, os padrinhos de casamento eram escolhidos entre os irmãos. 
Hoje, o melhor amigo é aquele de segunda-feira, que te deu uma carona. O mundo encolheu. 
Antes, o conteúdo dignificava, estabelecia uma triagem natural entre quem era consistente e quem não tinha substância para fazer diferença. Sabedoria e conhecimento tinham valor. 
Hoje, se o sujeito concorda contigo, basta para ser teu ídolo. O mundo encolheu. 
Antes, a polidez não era um fricote, e sim uma atitude honrada. Ser respeitoso não merecia escárnio, e sim retribuição equivalente: bons tratos eram recorrentes entre cavalheiros e damas. Ampliava-se a civilidade. 
Hoje, respeitar está fora de moda, moderno é ser cruel. O mundo encolheu. 
 Antes, o prazer não tinha valor diante do desprazer do outro, nada valia ser feliz à custa das infelicidades alheias, havia uma corrente silenciosa e íntegra que avisava: ou todos, ou nenhum. 
Hoje, restritos em nossas individualidades, é comum passarmos por cima até dos nossos afetos. O mundo encolheu. 
Estamos promiscuamente embolados, sem espaço para ampliar nossa existência. O mundo encolheu e alguns vão sobrar. Já estou com meio corpo pra fora. 

Martha Medeiros

Almas gêmeas.

29/11/2019       

Anda difícil colocar a mão no fogo pelo amor eterno entre dois seres, então elejo aqui um casal que, este sim, raramente se separa, e quando separa, reata. Falo do Sr. Entusiasmo e do Sr. Pânico. Masculino com masculino, alguém ainda se constrange com isso?
Então avante: onde você enxergar o Entusiasmo, pode ter certeza de que o Pânico estará por perto. E quando enxergar o Pânico, saiba que o Entusiasmo estará à espreita. Um não circula sem o outro.
Vamos andar de balão? Vamos montar um cavalo selvagem? Vamos fazer um rali noturno?
Tudo o que puder ser designado como radical leva o casal junto, entrelaçado.
E já que estamos falando em casal, pense em vocês dois. Sim, você e aquela criatura que era a última pessoa do mundo para quem você olharia duas vezes, mas olhou e quase enlouqueceu de entusiasmo pelo mundo novo que se descortinava e de pânico pelo buraco que se abria. A criatura era tudo o que você sonhava e nada do que você queria, como foi possível isso acontecer ao mesmo tempo?
Entusiasmo e Pânico.
Será que esses dois não se desgrudam nunca?
Você se divorciou. Está livre, leve, solto e mal-intencionado: bem-vinda solidão depois de anos amarrado. O Entusiasmo brinda com os amigos no bar, enquanto o Pânico chora escondido.
Seu primeiro livro foi concluído, agora todos finalmente saberão o que se passa em seu íntimo, o talento que você tem, o talento que você não tem, a pretensão que lhe sobra, a genialidade que escondia: o que irá prevalecer?
Sem colocar o livro na rua, nunca saberá. Distribuindo-o, saberá. Duas hipóteses igualmente tentadoras e apavorantes.
Prometem ser fiéis na alegria e na tristeza? Entusiasmo e Pânico respondem juntos que sim e trocam alianças. Só a morte os separa, só a morte, que é quando o Entusiasmo some e deixa o Pânico na mão.

Martha Medeiros

________ Dreams

28/11/2019       


Crônica Eu,você e todos nós 

Eu, você e todos nós somos crianças das mais diversas idades. 
Pedimos pelo amor de Deus que o telefone toque e que a partir deste toque um novo capítulo comece a ser escrito na nossa história. 
Fingimos que somos seres altamente erotizados e, na hora H, amarelamos. 
Depositamos todas as nossas fichas amorosas em pessoas que não conhecemos senão virtualmente. Disfarçamos nosso abandono com frases ousadas e sem verdade alguma. 
O que a gente gostaria de dizer, mesmo, é: me dê sua mão. 
Eu, você e todos nós queremos intimidade, mas evitamos contatos muito íntimos. 
Não queremos nos machucar, mas usamos sapatos que nos machucam. 
A gente quer e não quer, o tempo todo. 
 Será que durante uma caminhada de uma esquina a outra, em um único quarteirão, é possível acontecer uma paixão, uma descoberta? 
Quantos metros precisamos percorrer, quantos dias devemos esperar, em que momento da nossa vida irá se realizar o nosso maior sonho, e uma vez realizado, teremos sensibilidade para identificá-lo? 
O nosso desejo mais secreto quase sempre é secreto até para nós mesmos. 
Somos uma imensa turma, somos uma enorme população, somos uma gigantesca família de solitários, eu, você, todos nós. 

Martha Medeiros

https://www.youtube.com/watch?v=lOG_xFNMgqc

Páginas: 11