carspalmeiras

Status do relacionamento: casado(a)
Interessado em: mulheres
Procurando por: entretenimento
Zodiac sign: libra
Aniversário: 1957-09-26
Registro: 06/11/2013
vencer é o que importa, o resto é consequência. (airton senna)
Pontos26Mais
Manter o nível: 
Pontos necessários: 174
Último jogo

A grande sacada da natura, ou um tiro no pé?

02/08/2020       
Opa, finalmente depois de 200 anos de site, encontrei um post, pra discordar do Dulcor.
Primeiro não vi a propaganda da Natura, concordo com quase tudo  o que ele escreveu, mas a grande PERGUNTA ele não fez.
O comercial vai se traduzir em aumento de vendas, a empresa vai perder mercado ou vai ganhar mercado com essa mensagem.
Afinal aparecer na midia, virar motivo de discussão, não importa, o que importa é aumentar meu faturamento. 
E falando em faturar, vamos pro meu poquêr, que é isso que importa, bom domingo a todos.

A casa da minha avó

01/08/2020       
Antes de narrar minha chegada em São Paulo, dois fatos merecem ser narrados:
1 - A casa da minha avó;
2 - A geada negra de 1975

A casa, era construída em dois terrenos, tinha 8 quartos, 5 banheiros, e a cozinha apesar de ter fogão à gas, possuía fogão e forno a lenha,( ahhhh quantos pães comi assados na hora).
Ela era uma excelente cozinheira, e transmitiu para minha mãe.
Os moradores eram, meus avós, duas filhas da minha idade, e um tio.

O outro terreno era uma chácara, dois pés de mangas, abacate, laranja, pêssego, goiaba, jabuticaba, mamão, e o meu favorito, um moedor de cana, e muita cana, tomei muita garapa, nessa vida.
Uma horta, que ela cultivava com muito carinho, patos, galinhas e um cão.
Meu avô, e meu tio eram tarefeiros, carregavam sacos de 60 quilos de açúcar e café na cabeça descarregando as carretas que vinham das Usinas da região.
O avô, era considerado um dos homens mais fortes da cidade, carregava com facilidade, 180 quilos em cada viagem, já que você ganha, conforme produz.
Era um gigante, já minha avó (que não gostava de ser chamada de avó, e sim de tia), era bem pequena, só que tinha a energia de uma usina nuclear.

Três anos maravilhosos e abençoados.  Já o episódio da geada negra, narro amanhã. Simbora jogar pôquer.

Voltando a minhas origens

31/07/2020       
1975 - Comecei a correr, vencer as provas de fundo, e representar a minha cidade.
 A prefeitura mandava uma solicitação pra minha empresa, eles me liberavam, e assim, conheci boa parte do Estado do Paraná, ficava em média uma semana, em cada competição.
Cheguei a ser o quinto atleta do estado.
Estudava, trabalhava, treinava, e assim, a vida ia passando.

A família em São Paulo, sempre pedindo volta, vem pra cá. 
Outubro/novembro, as competições tinham acabado, já tinha concluído o ginasial, tinha diploma de datilografia, estava livre do serviço militar.
Pensei, pensei, pensei..... e decidi, vou voltar pra São Paulo.
Fui conversar com o gerente, expliquei que queria voltar pra família, que não ia  pedir a conta, pois tinha três anos de firma, (nunca arrumei problema), e se era possível ser demitido.
Te demitir, nem pensar, um funcionário exemplar igual a ti.

O que eu posso fazer, é te transferir, para a filial de São Paulo, assim você já chega empregado. Aceitei na hora.
Trabalhei até o dia 31/12/1975, a noite, embarquei pra São Paulo, e só voltei em Cambé-Pr, uma única vez depois disso.

Reflexões de uma pandemia

28/07/2020       
Mais três meses se passaram. O tempo voa, e aquela sensação de impotência contra essa pandemia permanece.

Minha cidade começa a reabrir aos poucos, a praia sempre lotada nos fins de semana, e ninguém usando máscara.

A fiscalização que era rígida no começo, agora não existe.

De bom mesmo esse sol gostoso de verão, que resolveu nos visitar no inverno, então já estamos no lucro.
Espero que esse computador que meu irmão trouxe semana passada, dure até sua próxima visita.
Simbora jogar pôquer, pois navegar é preciso, viver não é preciso, boa semana a todos, e se puderem, se cuidem.

Nossa, quase dois meses?

26/04/2020       
Computador quebrado, nesse período.
Quanta coisa aconteceu!
Crise do petróleo, queda da bolsa de valores, disparada do dólar, pandemia no mundo.
E pra fechar a semana com chave de ouro, mais uma grave crise política, no nosso país.
Só sendo brasileiro, mesmo, pra não desistir NUNCA.
Ontem, dia 25/04, tive minha primeira experiência (a primeira, a gente nunca esquece), com o uso de máscaras.
Não gostei, mas isso de agora em diante, será uma necessidade, então terei que me acostumar, já que faço parte do grupo de risco.
Como retorno, já está bom, desejo um excelente domingo a todos, fiquem com DEUS, se puderem fiquem em casa (eu posso, e estou de quarentena), e se cuidem.

1975 - O ano em que comecei a correr

23/02/2020       
O trabalho era, duro, cansativo, e repetitivo, mas o salário era maravilhoso, esqueci de mencionar esse pequeno detalhe.

1975 - O ano começa, a entrada das mulheres no mercado de trabalho, causa uma revolução nos empregos, na minha cidade e na minha vida.

O segundo turno de trabalho é implantado, meu horário de trabalho passa a ser das 05:00 às 9:00 hs e das 9:30 às 13;30 hs, e todos os sabádos.

Sempre gostei de correr, tinha aptidão natural para corrida. 

Agora, tinha toda a tarde livre. Uma nova escola municipal é inaugurada, com uma pista de atletismo novinha, toda estruturada.

Me matriculei e comecei a correr as provas de fundos 1.500 metros, 5 kms  e 10  kms.

E assim começou, minha carreira de atleta.  (continua amanhã)

Final - Minha primeira experiência com Mulheres!

22/02/2020       
1974 - A vida seguia o seu curso. O trabalho era duro, cansativo e repetitivo.

Um belo dia, chego para trabalhar, um batalhão de mulheres na porta da fábrica.

Marquei o ponto. Tomei o meu lugar, como responsável, por uma das linhas de produção (eram 12 linhas, com 10 funcionários, em cada uma).

O Supervisor Geral da fábrica, entrou com elas, eram 60 mulheres, para serem treinadas, fui um dos escolhidos, para treinar uma mulher.

O motivo, a fábrica iria inaugurar um segundo turno de trabalho.

Uma semana de treinamento, e eu já tinha uma certeza, era chegado a hora das mulheres, os homens tinham os dias contado.

Minha primeira experiência com mulheres numa linha de produção, foi, elas eram mais cuidadosas, caprichosas, dedicadas, do que nós homens.

Um ano depois julho de 1975, de 120 homens, só sobraram 3, eu fui um deles.

Minha primeira experiência com Mulheres! Parte 2

21/02/2020       
A multinacional: uma gigante mundial no ramo do açúcar, e hoje do álcool também.

180 funcionários - 130 na linha de produção (fui onde eu comecei), e 50 administrativo - todos homens.

O horário de trabalho: das 8:00 às 12:00 e das 14:00 às 18:00, sábado sim, sábado não - para fazer limpeza e manutenção dos maquinários.

Trabalhando do lado de casa, e tendo duas horas de almoço, criei o hábito de tirar o cochilo da tarde.
Nunca mais abandonei, e mantenho até os dias atuais.

A remuneração: sai de São Paulo, ganhando o equivalente a um salário minimo, hoje R$ 1.000.00.
Comecei ganhando R$ 2.000,00, e depois de 3 meses de experiência, fui promovido, passando a ganhar R$ 3.000.00.

Mandava quase tudo pra São Paulo, pra minha mãe, meus avós, tinham uma boa situação financeira.

Me matriculei no ginásio, e comecei a fazer/terminei, um curso de datilografia.

E a vida seguia assim o seu curso.

Não me lembro do mês, mas tudo começou a mudar em 1974.

Mas isso já é outra história, que eu finalizo amanhã.

Minha primeira experiência com Mulheres!

20/02/2020       
O lugar, uma fábrica de produção.  A cidade, Cambé-Pr.  O ano, 1974

1972 - Completei 14 anos, e ganhei da minha mãe como presente de aniversário, uma Carteira de Trabalho.  Nunca tinha trabalhado na vida, e sentia (até hoje, ainda sinto, alergia a essa palavra chamado Trabalho).

Morava no centro de SP (sempre morei), e arrumei um emprego (isso era muito comum naquela época, e vagas para essa atividade, nunca faltavam), numa fábrica de bolsa.
Trabalhei 6 meses, gostava do serviço, pedi a conta, quando na saída, começaram a revistar os pertences dos funcionários, acho isso um desrespeito, para todo ser humano, confiança, tem que ser palavra chave, em qualquer atividade.

Era final de 1972, resolvi passar o final de ano em Cambé-Pr, cidade do meu nascimento, e onde residiam meus avós.

As festas passaram rápido, a alegria voa e contagia, só que é chegado a hora de por os pés no chão, e dar um jeito na vida.

Comunico aos meus avós, que vou voltar pra São Paulo, tenho que arrumar emprego, e ajudar minha mãe a terminar de criar, quatro irmãos escadinha (diferença de um ano, cada)
que eu tenho.

Meu avô fala, porque você não trabalha aqui, acabou de abrir uma multinacional aqui, estão contratando, e eu arrumo uma vaga pra você.

Comecei a trabalhar nessa multinacional, no dia 20/02/1973, (essa data, tem muito simbolismo na minha vida), fiquei 20 anos nessa empresa, quando saí, já tinha decidido, nunca mais trabalharia de empregado, novamente.

Amanhã parte 2

Minhas paixões

14/02/2020       
Paixões, eu tenho várias, a leitura, sempre foi uma dela. 

Leio em média 10 livros por ano, aproveitando que o ganhador do Oscar esse ano, foi o filme Parasita, acabei de ler agora, o livro de Machado de Assis, chamado a Parasita Azul.

Leitura fácil, poucas páginas, recomendo, eu gostei.

Páginas: 7